Uma família foi vítima de um golpista dentro de um hospital em Varginha e perdeu quase R$ 10 mil. A família da vítima fez boletim de ocorrência e diz que é preciso mais alertas sobre esses golpes.

A primeira ligação foi feita para o telefone que fica dentro de um quarto do hospital. A filha de uma paciente que estava no centro cirúrgico atendeu a ligação.

“Fiquei espantada porque tinha sido eu que recebi a ligação no telefone dentro do próprio quarto do hospital e como a minha mãe estava no centro cirúrgico e ele falou com detalhes que ela iria voltar daqui a 50 minutos, que ela estava acordando da anestesia, eu falei que estava tudo certo”, disse a vítima, que não quis ser identificada.

Depois, o homem bem-educado e que já tinha detalhes da cirurgia da mulher, ligou para outra filha da paciente. Em um momento de desespero, a filha da vítima, com medo de que a mãe estivesse com uma doença grave, depositou quase R$ 10 mil ao possível golpista.

“Ele falou que eles fizeram um exame de sangue durante a cirurgia e que ela estava com as células doentes, muito agressivas e se reproduzindo muito rapidamente, e ele falava com riqueza de detalhes as coisas. E falando que estava em 40% e que se chegasse a 60%, era leucemia e ficava irreversível. Aí falou que precisava de um equipamento para poder fazer a aplicação dessa medicação e que o hospital não tinha esse equipamento. O valor era alto, da segunda vez conseguiu fazer a transferência, eu passei o comprovante pra ele, ele falou que ia entrar em uma reunião e que já estava manipulando a medicação”, disse a mulher.

“Eu liguei no hospital, na hora que eu liguei e falei se ‘tem algum Alex Freire médico de vocês”, é ‘golpe’, ela nem deixou eu terminar de falar e falou que já aconteceu várias vezes. Eu falei, poxa gente, se já aconteceu porque que eles não deixam um aviso, está acontecendo um golpe, não façam o pagamento, na hora que você para pra pensar, você acha que foi burrice, mas na hora do desespero, você nem pensa”, completou.

O hospital emitiu uma nota alertando sobre golpes, ou seja, possíveis golpistas estão ligando para familiares e cobrando por procedimentos cirúrgicos indevidos.

Segundo a instituição, no mesmo dia do golpe, mais três tentativas foram feitas. O hospital acredita, por meio de relatos de outros pacientes, de que para os golpistas saberem de tantos detalhes, eles fazem duas ligações e na primeira pegam informações importantes.

Novas regras no hospital

Depois de alguns relatos, novas regras surgiram no hospital.

“A gente começou medidas de divulgação na mídia, mídias sociais, rádio, que a gente está dando andamento, internamente a gente isolou os telefones fixos dos nossos pacientes, então desde ontem nenhum contato externo tem acesso aos nossos telefones, só através de contato pessoal ou presencialmente na instituição”, disse o gerente de provimento de saúde da Unimed, Guilherme Mesquita.

A instituição alega que no passado informações foram repassadas para ajudar os pacientes e que, a partir de agora, o setor jurídico está avaliando os casos para evitar esse tipo de crime.

“Agora a gente intensificou a comunicação, começou a levar para outras instâncias, mídias sociais, rádios, e também internos, estamos entregando panfletos e conscientizando nossos clientes internos, todos os pacientes hoje internados estão sendo orientados na própria portaria”, completou Mesquita.

Fonte: G1

Comentários
COMPATILHAR: