Transportadores rodoviários e motoristas autônomos de todo país  convocaram uma paralisação para reivindicar direitos da categoria , a partir desta segunda-feira (1). Apesar do chamamento e apelo nas redes sociais, a movimentação segue com baixa adesão.

Em todo o país, até o momento, não há bloqueio de vias ou movimentação dos caminhoneiros. Na Paraíba, vários caminhoneiros se reuniram e pararam as atividades. Mas também não houve retenção de pistas.

A reportagem esteve no em postos de gasolina, no DF, locais em que os caminhoneiros costumam se concentrar em greves. No entanto, foi constatado que poucos profissionais aderiram à paralisação desta segunda.

Parte das lideranças afirma que esta será a maior greve desde 2018 – quando a categoria paralisou as atividades e provocou desabastecimentos em todo Brasil. No entanto, associações anunciaram a retirada do apoio às vésperas da mobilização.

A classe pede a mudança da política de preços da Petrobras; o piso mínimo do frete; o retorno da aposentadoria especial com 25 anos de contribuição; e a redução do preço do diesel. As lideranças que convocaram a greve são as mesmas da paralisação anterior, em fevereiro.

As principais entidades à frente das paralisações continuam com a programação. São elas: a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e o Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam).

Fonte: Estado de Minas

Comentários