O tempo seco que tem predominado em Formiga e região não deve dar trégua com a mudança de estação. A chegada da primavera, às 17h02 desta sexta-feira (22) não interromperá a sequência de dias quentes e secos.

Apesar da estação das flores ser marcada pelas pancadas de chuva, não há previsão de precipitações para os próximos dias em Formiga. O município completa nesta quinta-feira (21) 100 dias sem chuva.

O tempo seco e ensolarado que tem predominado em todo Estado é resultado de uma massa de ar seco que se concentra na região centro-sul do país e inibe a formação de nuvens. A grande diferença entre a temperatura mínima e a máxima, chamada de amplitude térmica deverá permanecer provocando dias quentes e noites mais frescas. Em Formiga os termômetros devem variar entre 15ºC e 34°C.

Para sexta-feira, dia da chegada da primavera, a previsão segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de máxima de 34ºC durante a tarde.

A umidade relativa do ar deve continuar baixa em torno de 20%, marca considerada de estado de atenção para a Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo o órgão, umidade menor que 60% é considerada nociva para a saúde humana. Índices de 19% a 12% são considerados estado de alerta e inferiores a 12% estado de emergência.

A predominância do tempo muito seco pode agravar doenças respiratórias devido ao ressecamento das mucosas.  Sintomas como complicações alérgicas, sangramento pelo nariz, ressecamento da pele e irritação dos olhos são ocasionados pelo ar seco.  A eletricidade estática nas pessoas e em equipamentos eletrônicos também aumenta com o clima seco.

De acordo com a coordenadora da Defesa Civil de Formiga, Vera Moreira é recomendado ingerir bastante água, usar soro fisiológico nas narinas e nos olhos, umidificar o ambiente por meio de vaporizadores, toalhas molhadas ou recipientes com água e evitar fazer exercícios físicos ao ar livre.

Ainda segundo o Inmet, as precipitações deverão ocorrer apenas na segunda quinzena de outubro. Já as temperaturas ficarão levemente mais altas em todo o país.

Comentários