O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quinta-feira (13) que a grande maioria” dos internados em hospitais por Covid-19 é de pessoas não vacinadas contra a doença. Ele ressaltou que os imunizantes aplicados no Brasil tiveram papel importante na redução de internações e de mortes por infecções do coronavírus.

Queiroga acrescentou que, mesmo com a ausência de estudos sobre o real impacto da variante ômicron, os relatos científicos indicam chances menores de sintomas graves e complicações na população imunizada contra a Covid-19.

“Nós sabemos que muitos têm relatado que essa variante causa formas menos impactantes de Covid, sobretudo naqueles que estão vacinados, apesar de a ciência não ter ainda nos dado todas as respostas acerca da eficácia das vacinas em relação à variante ômicron. Mas, daqueles que se internam nos hospitais e nas unidades de terapia intensiva, a grande maioria é de indivíduos não vacinados”, disse o ministro.

A declaração foi dada em São Paulo após a recepção do primeiro lote de vacinas da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos, com 1,2 milhão de doses. Na ocasião, o ministro garantiu que o imunizante infantil é seguro e atestado por autoridades sanitárias e não faltarão doses para os pais que quiserem vacinar seus filhos.

Apesar de falar da vacinação pediátrica, Queiroga destacou que “é necessário reafirmar a orientação para que aqueles que não tomaram a segunda dose, que há muitos no Brasil, felizmente menos do que em outros países, e aqueles que ainda não tomaram a dose de reforço, que procurem a sala de vacinação para completar o esquema vacinal”.

Fonte: O Tempo

Comentários