Minas Gerais não será contemplada com parte das 712 mil doses da vacina contra a dengue neste primeiro momento. Apesar de ter 22 cidades incluídas na lista do Ministério da Saúde para receber os imunizantes, o estado não está incluído na distribuição da primeira remessa. As vacinas começaram a ser distribuídas na quinta-feira (8).

O primeiro lote da Qdenga, enviado pela farmacêutica Takeda ao governo federal, vai atender 315 municípios em Goiás, na Bahia, no Acre, na Paraíba, no Rio Grande do Norte, em Mato Grosso do Sul, no Amazonas, em São Paulo, no Maranhão e no Distrito Federal.

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina será aplicada inicialmente em crianças de 10 a 11 anos e vai avançar para outras idades assim que forem sendo entregues novas doses pelo fabricante da Qdenga, até alcançar todo o público-alvo de 10 a 14 anos. Público este acordado anteriormente entre os conselhos representantes de saúde estaduais e municipais.

No início do mês, o secretário de saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, afirmou que, durante reunião em Brasília, ficou entendido que os 22 municípios mineiros selecionados pelo governo Federal terão a vacina “até novembro”.

O chefe de saúde do estado informou que os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde envolvem a situação epidemiológica do último semestre de 2023, o que justificaria o fato de o estado ficar fora da lista prioritária das entregas. No entanto, Minas Gerais lidera o ranking nacional em casos de dengue e se encontra em estado de emergência.

Com o aumento alarmante de casos, interessados em adquirir a vacina na rede privada podem encontrar o imunizante por até R$ 500 em Belo Horizonte. Segundo levantamento realizado em 14 clínicas e 17 laboratórios da capital mineira pelo site de pesquisas Mercado Mineiro, a vacina contra a dengue tem tido alta procura.

De acordo com a pesquisa, cada dose pode custar de R$ 364 até R$ 500 nas clínicas particulares. No caso, são necessárias duas doses. Em alguns lugares, as duas doses estão sendo vendidas juntas em valor promocional.

Entretanto, devido à alta procura pela vacina Qdenga em Minas Gerais, o imunizante contra a dengue está em falta em clínicas, farmácias e laboratórios particulares da capital mineira. A Takeda, empresa biofarmacêutica que produz a vacina, também comunicou que o fornecimento dos imunizantes será prioritário para pedidos do Ministério da Saúde.

A Takeda também informou que o fornecimento dos imunizantes para a rede privada será limitado para suprir e atender as pessoas que já tomaram a primeira dose da vacina. O esquema vacinal completo inclui duas doses, com intervalo de três meses entre elas.

Fonte: Estado de Minas

 

 

COMPATILHAR: