Vacina contra meningite B chega ao Brasil a R$ 340

A medicação foi desenvolvida em 1995 e é recomendada  principalmente para crianças com até 1 ano.

A medicação foi desenvolvida em 1995 e é recomendada  principalmente para crianças com até 1 ano.

O Brasil recebeu na terça-feira (5) a vacina contra a meningite B, uma imunização ainda não realizada na rede pública para combater o subtipo da doença. A dose custa a partir de R$340, devido à variação de tributos nos estados brasileiros.

Chamada de Bexsero, a vacina já é comercializada nos Estados Unidos e na Europa. A medicação foi desenvolvida em 1995 e é recomendada  principalmente para crianças com até 1 ano.
Bebês com idade entre 2 a 5 meses precisam tomar três doses. Em crianças com faixa etária entre 6 e 11 meses, a recomendação é de duas doses. Ambas as faixas etárias são classificadas como grupo prioritário. Para aqueles quem tem mais de 1 ano e até 50 anos, a recomendação é de duas doses.
Em 2014 foram notificados 17 mil casos de meningite, de todos os tipos, sendo 146 do sorogrupo tipo B, de acordo com informações do ministério.
A meningite

As meninges são as membranas que envolvem todo o sistema nervoso central. Quando ocorre há alguma inflamação desse revestimento, causado por micro-organismos, alergias a medicamentos, câncer e outros agentes.
Ela é transmitida quando pequenas gotas de saliva da pessoa infectada entram em contato com as mucosas do nariz ou da boca de um indivíduo saudável. Pode ser por meio de tosse, espirro ou pelo contato com barras de apoio dos ônibus, por exemplo.
Os principais sintomas da doença são dor de cabeça, febre e confusão mental. Nem sempre há rigidez na nuca, e o teste não pode ser feito por um leigo apenas ao baixar a cabeça.

Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Vacina contra meningite B chega ao Brasil a R$ 340

A medicação foi desenvolvida em 1995 e é recomendada  principalmente para crianças com até 1 ano.

A medicação foi desenvolvida em 1995 e é recomendada  principalmente para crianças com até 1 ano.

 

O Brasil recebeu na terça-feira (5) a vacina contra a meningite B, uma imunização ainda não realizada na rede pública para combater o subtipo da doença. A dose custa a partir de R$340, devido à variação de tributos nos estados brasileiros.

Chamada de Bexsero, a vacina já é comercializada nos Estados Unidos e na Europa. A medicação foi desenvolvida em 1995 e é recomendada  principalmente para crianças com até 1 ano.

Bebês com idade entre 2 a 5 meses precisam tomar três doses. Em crianças com faixa etária entre 6 e 11 meses, a recomendação é de duas doses. Ambas as faixas etárias são classificadas como grupo prioritário. Para aqueles quem tem mais de 1 ano e até 50 anos, a recomendação é de duas doses.

Em 2014 foram notificados 17 mil casos de meningite, de todos os tipos, sendo 146 do sorogrupo tipo B, de acordo com informações do ministério.

 

A meningite

As meninges são as membranas que envolvem todo o sistema nervoso central. Quando ocorre há alguma inflamação desse revestimento, causado por micro-organismos, alergias a medicamentos, câncer e outros agentes.

Ela é transmitida quando pequenas gotas de saliva da pessoa infectada entram em contato com as mucosas do nariz ou da boca de um indivíduo saudável. Pode ser por meio de tosse, espirro ou pelo contato com barras de apoio dos ônibus, por exemplo.

Os principais sintomas da doença são dor de cabeça, febre e confusão mental. Nem sempre há rigidez na nuca, e o teste não pode ser feito por um leigo apenas ao baixar a cabeça.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.