Apenas 13 dos países e territórios do mundo tiveram qualidade do ar “saudável” no ano passado, de acordo com um novo relatório da IQAir, uma empresa que monitora a qualidade do ar em todo o mundo.

O relatório descobriu que a poluição média anual do ar em cerca de 90% dos países e territórios analisados ​​excedeu as diretrizes de qualidade do ar da Organização Mundial da Saúde (OMS), projetadas para ajudar os governos a criar regulamentos para proteger a saúde pública.

A IQAir analisou a qualidade média do ar de 131 países e territórios e descobriu que apenas seis países – Austrália, Estônia, Finlândia, Granada, Islândia e Nova Zelândia – e sete territórios no Pacífico e no Caribe, incluindo Guam e Porto Rico, atenderam aos requisitos de ar da OMS diretrizes de qualidade, que exigem um nível médio de poluição do ar de 5 microgramas por metro cúbico ou menos.

Sete países – Chade, Iraque, Paquistão, Bahrein, Bangladesh, Burkina Faso, Kuwait e Índia – tiveram má qualidade do ar que excedeu em muito as diretrizes da OMS com poluição média do ar acima de 50 microgramas por metro cúbico.

O estudo analisou especificamente o material particulado fino, ou PM2,5, que é o menor poluente, mas também o mais perigoso. Quando inalado, o PM2,5 penetra profundamente no tecido pulmonar, onde pode entrar na corrente sanguínea.

Ele vem de fontes como a combustão de combustíveis fósseis, tempestades de poeira e incêndios florestais e tem sido associado a vários problemas de saúde, incluindo asma, doenças cardíacas e outras doenças respiratórias.

A OMS reforçou suas diretrizes anuais de poluição do ar em setembro de 2021, reduzindo a quantidade aceitável de material particulado fino de 10 para 5 microgramas por metro cúbico.

Milhões de pessoas morrem a cada ano devido a problemas de saúde relacionados à poluição do ar. Em 2016, cerca de 4,2 milhões de mortes prematuras foram associadas ao material particulado fino, segundo a agência da ONU.

Se as diretrizes mais recentes tivessem sido aplicadas naquela época, a OMS descobriu que poderia ter havido quase 3,3 milhões a menos de mortes relacionadas à poluição.

O relatório também continua destacando uma desigualdade preocupante: a falta de estações de monitoramento em países em desenvolvimento na África, América do Sul e Oriente Médio, resultando em escassez de dados de qualidade do ar nessas regiões.

Embora a África tenha visto uma melhora no número de países incluídos no relatório deste ano em comparação com 2021, o continente ainda continua sendo o mais sub-representado. De acordo com o IQAir, apenas 19 dos 54 países africanos tinham dados suficientes disponíveis em suas estações de monitoramento.

Glory Dolphin Hammes, CEO da IQAir North America, disse que cada vez que adiciona um novo país que antes carecia de dados de qualidade do ar – como aconteceu com o Chade em 2021 – esses países inevitavelmente acabam no topo da lista dos mais poluídos.

Se você olhar para o que é chamado de satélite ou dados modelados, a África deve ser provavelmente o continente mais poluído do planeta, mas não temos dados suficientes”, disse Hammes à CNN.

O que isso significa é que são necessários muito mais dados para que possamos realmente determinar quais são os países e cidades mais poluídos do mundo.

Mas uma das maiores barreiras no momento, disse ela, é “a maneira como os governos atualmente monitoram a qualidade do ar”. Hammes disse que a maioria dos governos tende a investir em instrumentos que não conseguem medir com precisão partículas finas no ar.

Nos Estados Unidos, o relatório constatou que a poluição do ar melhorou significativamente no ano passado em comparação com 2021 devido a uma temporada de incêndios florestais relativamente amena.

Coffeyville, Kansas, teve a pior qualidade do ar nos EUA no ano passado, que a IQAir atribuiu a uma refinaria de petróleo próxima.

Colombo, Ohio; Atlanta e Chicago encabeçaram a lista das principais cidades dos EUA com a pior qualidade do ar, embora os pesquisadores também tenham notado que a Califórnia abriga 10 das 15 principais cidades com a pior poluição do ar, incluindo Los Angeles e Sacramento.

Em todo o mundo, disseram os pesquisadores, as principais fontes de poluição do ar no ano passado foram os incêndios florestais e a queima de combustíveis fósseis para transporte e produção de energia, que causa estragos nas comunidades mais vulneráveis ​​e marginalizadas.

Isso é literalmente sobre como nós, como planeta, continuamos com essa relação doentia com os combustíveis fósseis”, disse Hammes. “Ainda dependemos de combustíveis fósseis e os combustíveis fósseis são responsáveis ​​pela maior parte da poluição do ar que encontramos neste planeta.

A China, que esteve por décadas perto do topo da lista de pior poluição do ar, continuou a mostrar melhor qualidade do ar em 2022. Quase 64% das 524 cidades analisadas na China continental tiveram reduções anuais de PM2,5.

Ainda assim, a IQAir observa que o uso de carvão do país continua sendo uma grande preocupação climática e ambiental e que, apesar da melhoria, nenhuma das cidades chinesas realmente atendeu às diretrizes anuais da OMS.

Os incêndios florestais provocados pelas mudanças climáticas, disse Hammes, também desempenham um papel significativo na piora da qualidade do ar, especialmente nos EUA.

O relatório observa que os incêndios florestais nos últimos anos têm apagado rapidamente as melhorias na qualidade do ar que os EUA fizeram na última década.

Os incêndios florestais são um problema de aquecimento global e estão criando condições essencialmente inseguras”, disse Hammes.

Hammes disse que os países devem aprender uns com os outros, observando que os países com melhor qualidade do ar, por exemplo, são os que adotam ações específicas para a transição de indústrias poluidoras para formas de energia mais verdes, como solar e eólica.

Ela acrescenta que também é importante ampliar as redes de monitoramento da qualidade do ar, principalmente em regiões predominantemente desfavorecidas.

Por exemplo, apesar da guerra em curso da Rússia na Ucrânia, o relatório IQAir mostra que a Ucrânia expandiu as redes de monitoramento aéreo, coletando dados de quase o triplo do número de cidades em 2022 do que em 2021.

O que aprendemos é que o que é medido é feito”, disse Hammes. “Precisamos coletar mais dados. Precisamos informar as pessoas sobre essas informações, e elas precisam ser gratuitas e disponíveis, para que possam fazer escolhas mais informadas.

 

Fonte: CNN

 

Comentários
COMPATILHAR: