Vários moradores do bairro Balbino Ribeiro, em Formiga, estão se queixando da quantidade de focos de incêndio criminoso em lotes, vagos ou não, e nas portas de suas casas.

Vale ressaltar que, antes da precipitação de chuva, que ocorreu na noite de terça-feira (9), a cidade vinha enfrentando uma implacável onda de calor e ar seco, o que contribui para a rápida propagação das chamas e assume o risco de tomar proporções muito mais graves. Além disso, a fumaça prejudica de inúmeras formas o bem-estar, a saúde e o cotidiano das famílias.

O portal UN identificou ainda relatos de moradores nas redes sociais, mencionando o surgimento de animais peçonhentos nas ruas, o que não é incomum, visto que as espécies – intimidadas pelas chamas – buscam refúgio em outros lugares, até mesmo em quintais de residências.

O Últimas Notícias conversou com alguns habitantes do bairro em questão, que relataram como os incêndios afetam suas vidas. A primeira, uma dona de casa que não quis se identificar, manifestou seu repúdio:

Esse fogo na porta das nossas casas causa inúmeros problemas. Como a gente lava uma roupa e estende no varal com toda essa fumaça e fuligem? E as crianças e os adultos com problemas asmáticos? Eles ficam muito mal, ainda mais com esse tempo frio e seco. Eu tenho na minha horta um carro e um botijão de gás. Se cai uma faísca desse fogo pode causar uma explosão; uma coisa muito mais séria. Isso tem que acabar! Tem que ver quem está fazendo isso e tomar as providências. É um absurdo e uma falta de consideração!”, enfatizou.

Nair das Dores de Souza, outra moradora do Balbino Ribeiro e mãe de dois filhos, também expôs sua indignação:

Prejudica a gente em tudo. Suja a nossa horta de fuligem; as roupas que a gente deixa no varal antes de ir para o trabalho ficam sujas e com mau cheiro. Meu menino tem problema de bronquite, e tem que tomar antialérgico. A filha da minha vizinha tem que tomar antibiótico todo dia, porque é alérgica e a fumaça não deixa ela melhorar. O meu pai também fica mal com o ar seco e essa fumaça. O bombeiro que veio aqui uma vez perguntou por que não denunciamos, mas não sabemos quem é. Se eu visse, eu denunciaria, com certeza! Só quem tem meninos com bronquite sabe o quanto essa fumaça é horrível para eles”.

O jornal também entrou em contato com o Corpo de Bombeiros para buscar informações sobre os incidentes:

O Corpo de Bombeiros em Formiga, principalmente nesta época do ano, atende a um quantitativo muito grande de ocorrências relacionadas à incêndio em vegetação. Especificamente na região do bairro Balbino Ribeiro, fomos acionados três vezes no mês de julho e duas vezes no mês de agosto”, afirmou o atendente quando questionado a respeito do número de denúncias de incêndio criminoso vindas dos moradores da região. E disse mais: “Comparando com o igual período do ano passado, percebemos um aumento de 23% na quantidade de ocorrências de incêndio no município, sendo considerado o período de junho a agosto. Os bairros em que mais observamos aumento foram o Saudade e o Balbino Ribeiro”.

 

O que diz a lei:

De acordo com a Lei Federal 9.605/98 que trata sobre a legislação ambiental, em seu art. 54, diz: Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora, pode gerar pena de reclusão, de um a quatro anos, e multa. O código penal Brasileiro, em seu art. 250 também estabelece que: Causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem pode gerar também, pena de reclusão, de três a seis anos, e multa.

Há também no município de Formiga uma legislação específica que proíbe queimadas – LEI Nº 5.497, DE 26 DE MARÇO DE 2020, que tem como uma das sanções administrativas possíveis o pagamento de multas por aqueles que provocarem queimadas na área urbana.

 

Créditos: Bárbara Oliveira/Últimas Notícias

Comentários
COMPATILHAR: