Um grupo formado por 212 candidatos que disputam diversos cargos nestas eleições já foi multado pelo Ibama em cerca de R$ 78,7 milhões. A maior parte dos crimes ambientais foram contra a flora, seguidos da ausência de controle ambiental e pesca ilegal. Para identificar os candidatos, o portal g1 cruzou as informações do Ibama dos últimos 30 anos com a base do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No total, foram aplicadas 392 multas.

Na lista dos políticos multados constam candidatos a deputado federal e estadual, senador e governadores.

Os candidatos a deputado federal somam os maiores valores em multas (R$ 37 milhões), seguidos por aqueles que disputam uma vaga nas assembleias legislativas nos estados (R$ 35,3 milhões). Parte disso é reflexo do maior número de candidatos que disputam esses dois cargos. Os candidatos a governador registram 12 infrações com valores que chegam a R$ 2,8 milhões.

Há ainda uma infração aplicada contra o presidente Jair Bolsonaro em 2012, no valor de R$ 10 mil, em Angra do Reis. No entanto, segundo os registros do Ibama, a multa está prescrita.

Bolsonaro foi multado por pescar dentro da Estação Ecológica de Tamoios. A infração foi anulada no fim de 2018, após um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) sustentar que Bolsonaro não teve direito de resposta durante a tramitação do processo.

Os 20 mais

Entre os 20 com multas com as maiores somas está o médico Clesio Antonio Sousa, que concorre a deputado federal pelo PROS do Mato Grosso. Sousa recebeu duas multas que somam R$ 15,5 milhões. As infrações, segundo o Ibama, ocorreram em Belém do Pará, em 2016. Uma delas no valor de R$ 120 mil encontra-se “aguardando pagamento/recurso”, a outra, com valor mais expressivo (R$ 15,4 milhões) está em “análise administrativa/mérito de impugnação/defesa”.

Em segundo lugar na lista dos candidatos com multas com as maiores somas vem o também candidato a deputado federal pelo PSC de Rondônia Robsão Demonthi, cujas multas somam R$ 7,5 milhões. O candidato registra três infrações ocorridas entre 2019 e 2021, no município de Colniza, em Mato Grosso. A multa de maior valor (R$ 5,9 milhões) encontra-se em “homologação devido a alterações”.

No grupo dos 20 mais consta ainda o senador Ivo Cassol que concorre ao governo de Rondônia pelo PP, além de Helder Barbalho (MDB), candidato à reeleição do governo do Para. Cassol tem quatro multas que somam R$ 1,6 milhão, enquanto Barbalho registra uma infração em seu nome de R$ 500 mil, que se encontra, segundo o Ibama, em “notificação para alegações finais”.

Cassol foi multado entre 2007 e 2009 nos municípios de Santa Luiza do Oeste e Alta Floresta do Oeste, ambos em Rondônia. A infração de maior valor (R$ 800 mil) encontra-se em “análise de mérito”. As outras três apresentam “recurso deferido ou pedido revisional deferido”.

Multas por partido

Cerca de 30% das 392 infrações aplicadas pelo Ibama estão concentradas em três estados pelos quais os candidatos concorrem este ano: Mato Grosso (16,5%), Rondônia (8,4%) e Roraima (7,3%). O cruzamento entre o total de multas e os partidos dos candidatos indica que o PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, concentra a maior quantidade de multas (58) e a maior soma R$ 19 milhões. Abaixo do PP, vem o PROS, com apenas sete infrações, mas que somam R$ R$ 15 milhões.

Os dados do Ibama utilizados no levantamento consideram todas as infrações aplicadas nas últimas três décadas, mesmo que o candidato já tenha quitado o débito, contestado judicialmente ou que já esteja cancelado. As infrações canceladas (27) somam cerca de R$ 1,8 milhões, ou seja, apenas 2,4% dos R$ 78 milhões das multas.

Fonte: G1

reprodução G1

Comentários
COMPATILHAR: