Medicamentos à base de cannabis começarão a ser vendidos nas farmácias brasileiras a partir de agosto deste ano. A pronta-entrega pode facilitar a vida de milhares de pacientes que, hoje, precisam importar o remédio individualmente. Os produtos contêm canabidiol e concentrações diferentes de THC, o princípio que tem efeito psicoativo.

 

A responsabilidade pela venda é da brasileira GreenCare, controlada por um dos maiores fundos globais especializados em negócios de cannabis – o Greenfield Global Opportunities. A empresa tem autorização da Anvisa  para vender três medicamentos e pleiteia a aprovação para mais três até dezembro e outros quatro para 2023. As informações são do jornal Estado de S. Paulo.

 

“Exportar o medicamento diretamente para cada paciente é um processo moroso, que tem de ter a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e demora 25 dias, desde que o item é colocado no avião até a entrega no Brasil”, declarou Martim Prado Mattos, presidente da farmacêutica e controlador do fundo, à reportagem.

 

Pesquisas comprovam que derivados de cannabis têm aplicações em casos de doenças neurológicas, autoimunes, psiquiátricas e dores crônicas. Contudo, a prescrição depende sempre da avaliação de um médico.

 

Importação

 

Atualmente, a GreenCare importa este tipo de medicamento diretamente para pessoas físicas no Brasil e atende um público de 20 mil pessoas – dos 75 mil pacientes brasileiros que utilizam o remédio. Ao todo, a companhia tem 17 produtos farmacêuticos à base de cannabis produzidos por fornecedores na Colômbia, Estados Unidos e Israel.

 

Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Canabinóides (BRCANN), apurados pela reportagem, a importação movimenta hoje R$ 250 milhões por ano. Em cinco anos, a expectativa da companhia é que o setor gire R$ 700 milhões.

 

De acordo com o presidente da farmacêutica, a comercialização do medicamento no varejo já tem um contrato fechado e outros cinco em negociação.

Fonte: Estado de Minas

Comentários
COMPATILHAR: