O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) divulgou uma cartilha com orientações para prevenir o golpe do falso empréstimo. Nesse tipo de crime, quadrilhas se passam por empresas que oferecem propostas tentadoras e facilitadas de empréstimos, inclusive para negativados, com possibilidade de ter o dinheiro na hora, sem burocracias.

Os criminosos fazem anúncios nas redes sociais e na internet. Porém, os golpistas alegam que, para liberar quantia solicitada, necessitam do pagamento de uma taxa. Às vezes, exigem até mais de um pagamento. Depois disso, somem com o dinheiro da vítima, que não consegue empréstimo nenhum. Quando a pessoa percebe que caiu em um golpe, já é tarde demais.

Segundo o MP, cada vez aumenta o número de pessoas lesadas em razão desse tipo de golpe. A crise econômica do Brasil, por exemplo, faz com que várias pessoas recorram a empréstimos para quitar dívidas. “A pandemia piorou a situação. Isso motivou a ideia de fazer uma cartilha para alertar a população e mostrar como se prevenir da ação dos golpistas”, explica o promotor de Justiça Eduardo Lovato do MPMG.

Veja dicas contidas na cartilha: Golpe do falso empréstimo

Como prevenir?

1 – Empresas de crédito nunca solicitam pagamentos antecipados para a liberação de empréstimos;
2 – Como diz o ditado popular, “quando a esmola é demais, o santo desconfia”. Quanto mais atraente a oferta, maior a chance de ser golpe. Em casos assim, é fundamental consultar informações sobre a empresa;
3 – Mesmo que não desconfie de nada, faça sempre uma pesquisa de satisfação sobre a operadora de crédito em sites como o Reclame Aqui ou em órgãos de defesa do consumidor, como o Procon;
4 – Verifique o endereço físico da empresa e confirme se realmente ela funciona no local indicado;
5 – Nunca aceite pagar prestações de empréstimo em contas de pessoas físicas.

Fui vítima desse golpe. O que fazer?

1 – Faça capturas de tela (“prints”) do site, do anúncio ou do perfil em rede social utilizado pelos criminosos, aparecendo a URL (ex: https://www.xxxx.com.br). Esses dados são essenciais para a investigação;
2 – Caso tenha mantido tratativas com os criminosos por aplicativos de comunicação (WhatsApp, Telegram, Signal, etc.), capture as telas das conversas. É importante que o número do telefone dos criminosos apareça junto com a troca de mensagens;
3 – Registre um Boletim de Ocorrência, informando o site, perfil de redes sociais e telefones usados pelos criminosos, bem como quaisquer outros dados que eles tenham fornecido (e-mails, chaves PIX, contas bancárias, etc.). Caso queira que o criminoso seja investigado e processado, é importante constar expressamente no Boletim que deseja representar criminalmente contra o autor do crime;
4 – Procure o Procon para registrar uma reclamação formal e solicitar providências na defesa de seus direitos como consumidor.

Para conferir a cartilha clique aqui 

Campanha de divulgação 

No fim de março, o MP iniciou uma contratação do Google para anunciar a cartilha informativa, que está hospedada no Portal da instituição. Em menos de dois meses de veiculação do anúncio, a campanha figurou 143 mil vezes entre os resultados de busca no Google sobre empréstimos.

Fonte: O Tempo
Comentários