O grupo das hortaliças ficou mais caro em janeiro deste ano, com aumento médio de 20%, em relação a dezembro de 2021. O destaque vai para a cenoura, que apresenta um aumento de 91%, seguida da batata, com 37,8%, do repolho, com 43,8%, e do quiabo, com alta de 28,2%. As informações são da CeasaMinas.

Em compensação, houve queda no preço das frutas (-8%) e dos ovos (-14,4%), no mesmo período.

No conjunto, os hortigranjeiros, formados por hortaliças, frutas e ovos, tiveram um aumento médio de 4% em janeiro na comparação com dezembro de 2021.

Chuvas

De acordo com a Ceasa, “tradicionalmente as chuvas afetam sobretudo as hortaliças-fruto e as folhosas, produtos mais sensíveis. Também interfere no preço a dificuldade de colheita de alguns produtos, como é o caso das cenouras”.

O resultado aumenta o impacto dos hortigranjeiros no bolso dos consumidores. Entre janeiro e dezembro de 2021, esse grupo de produtos já tinha acumulado uma inflação de 7,3% na CeasaMinas.

O coordenador da Seção de Informações de Mercado da CeasaMinas, Ricardo Fernandes Martins, explicou que “alguns produtos com redução de preço no levantamento de janeiro continuam com preços acima da média anual, a exemplo do mamão-formosa e mandioca”, disse.

Por isso, ele orienta o consumidor a pesquisar bastante ao ir às compras e ficar atento às promoções do varejo.

Fonte: Hoje em Dia

Comentários